31.8.11

Qual pneu levar?

 Seguidamente somos questionados por nossos amigos e clientes sobre qual pneu utilizar durante provas ou treinos. Às vezes a pessoa acaba por escolher um pneu não tão adequado para o uso que fará dele.


Independente do estilo de pilotagem, a escolha certa dos pneus  define se você saiu de casa para pedalar ou consertar a bike ao ar livre.

 Antes de tudo, devemos destacar que seus materiais de treinos (pneus e rodas) deveriam ser mais capazes de suportar os rigores de intempéries e da falta de conservação do pavimento, sem falar do peso extra de alimentos, bebidas, ferramentas e peças de reposição, do que seu precioso jogo de rodas e pneus de provas, com aros ultraleves, rolamentos de cerâmica e pneus mais finos que não resistiriam a um longo período de treinos na condição de piso em que estamos habituados. Dessa forma, deixa-se de lado a questão "peso" para o jogo de rodas de treino, e a preocupação recai sobre a resistência, a longevidade e a resposta dos materiais em relação ao seu jogo de rodas de prova. Ou seja, se o seu material de prova responde a curvas e frenagens de uma forma muito diferente do que o seu material de treino. Isso pode te fazer ganhar tempo.


 Os pneus são componentes que podem mudar totalmente a nossa performance sobre a bike. Algumas libras a menos na calibragem e já poderemos sentir a diferença na estabilidade e na resposta da bike em curvas e frenagens. Em mountain bikes, os pneus podem definir quem estará em cima de quem no conjunto bicicleta/ciclista. Já em road bikes, a regra é: quanto mais liso o pneu, melhor. 


Em mountain bikes, existe grande variedade de desenhos para cada tipo de terreno e estilo de pilotagem.


 Ao contrário do que se pensa, os pneus para road bikes lisos podem melhorar a nossa tração pois não há flexão dos cravos ou sulcos em condições mais exigentes. Já que em pisos molhados, os pneus lisos ou com sulcos funcionam da mesma forma, pois a superfície do asfalto ou do concreto já é rugoso ou "crespa" o suficiente para gerar tração. 


A carcaça do pneu, combinada à calibragem, definem o conforto do ciclista, irremediavelmente.

 Porém, o composto da borracha utilizada nesses pneus também pode ajudar a manter o controle em situações críticas além do conforto. Quanto mais macio o composto do pneu, melhor será a sua aderência, independente do desenho dos sulcos. Assim, o pneu de composto mais duro dificultará a dirigibilidade da bike por não se moldar ao solo e gerará mais vibração, ameaçando o conforto do ciclista.


A disposição das mantas na carcaça do pneu. 


 Outra característica do pneu que pode fazer diferença na sua próxima experiência sobre a bike é a escolha do tipo de carcaça dos pneus. Isso vai definir a deformação do pneu e a pressão a ser utilizada nele. A carcaça do pneu pode ser formada por mais de uma camada de kevlar, nylon ou fibra de carbono, em alguns casos, visando maior resistência à perfuração. Essa camada extra pode adicionar algum peso ao pneu, mas pode ser a diferença entre um pneu furado ou mais uma troca de câmara para seu currículo.


 Uma dica valiosa é ficar atento à pressão máxima recomendada dos pneus e também dos aros ao calibrar seus pneus, já que são os aros que também suportam parte dessa pressão.


 Repetindo: tente deixar o seu conjunto de rodas de prova com uma reação igual ou semelhante ao seu conjunto de rodas de treino. Chega de imprevistos na hora da prova, né!


Um comentário:

  1. Bom post, pessoal.
    Inclusive no que diz respeito à pressão dos pneus.
    Já vi muitos atletas simplesmente estabelecerem que "tem" que colocar 120psi de pressão e nem se apercebem que cada pneu tem sua especificação impressa normalmente na lateral.
    Ainda complementando que a pressão indicada nesse local é a "maxima" recomendads, ou seja, não necessariamente deve-se andar com essa pressão sempre.
    Valeu

    ResponderExcluir